sábado, 22 de julho de 2017

NA LINHA DOS SINAIS




Uma lua que se enche de amor!
Um sol que se orgulho de calor!
Uma noite se que emudece de assédio!
Uma madrugada, que beija a saudade!
Uma vida que, beija a alma do corpo
Uma amizade que acontece! 

Bussulo Dolivro

quinta-feira, 13 de julho de 2017

O quarto capítulo do meu romance sem título começa assim (...) - Não corrigido



Adicionar legenda
Os geodados deste local estavam ilegíveis a três anos atrás, e a sua escavação foi feita por uma empresa exploradora de inerte, tudo era feito por clandestinidade, adiantou BDwarth o fotógrafo, enquanto a viatura lentamente descia no perímetro mais a dentro da vala comum, facilitando a captura de imagens fotográficas. 

quarta-feira, 5 de julho de 2017

Os ideota são sonhadores

Já não é necessário, sentar para escrever um livro. Nunca foi útil descrever as viagens em livros, sob pena de forjar as linhas de elogios, quando as nossas falhas e ilusões sobrepõe a responsabilidade de historiografar uma sociedade. 

hoje os livros nascem por implicações ideológicas, mais próximas dos motivos partidários, e distantes das razões pedagógicas ou utilitárias. Este topo da realidade, é visível em Angola; onde existem sonhadores e aventureiros, que ousam parir ideias fora de uma união de escritores conceituados.

Estes sonhadores são verdadeiros ideotas (idealistas), mesmo sendo pobres financeiramente chegam a obrigar um metade da sociedade a ler um pedaço de suas histórias!

sexta-feira, 30 de junho de 2017

Aos meus leitores

Estou a escrever, continuo a escrever! poesia, crônica, contos, temáticas para jardins de infância. espero sinceramente que você esteja do outro lado da biblioteca para visitar as estantes dos meus livros, que em breve lá estarão. Estou a escrever, continuo a escrever!
Escritor angolano
Estou a escrever, continuo a escrever!

dois parágrafos do meu romance - 3 capítulo (não corrigido)

$
CAPÍTULO 3
                No restaurante, Praia do Chocolate foi o local escolhido para Júlia, malone e BDwarth matarem as aspirações do fracasso. Educadamente o Garson jogou o Menu á mesa, Júlia pediu sem pestanejar um mufete, BDwarth uma feijoada e a bifana serviu para o estômago de Malone.
                Depois da refeição Júlia pagou a conta da casa, mas no meio do almoço ela mostrou-se desanimada, esmorecida, por não conseguir ajudar a tempo na detenção dos prevaricadores.

                – Um grupo de raparigas estão como alvo de um assassinado, de um suposto traficante, e a polícia atrasa nas investigações. Uma criança morre a meio do caminho do controlo policial, e nenhum popular da Vila de onde era residente se indigna com o sucedido, e a polícia manteve-se incubada aos fardamentos e despachos, rematou Júlia, cabisbaixa, num gesto filosófico de quem espera uma resposta imediata a sua volta. 

dois parágrafos do meu romance em edição cap-2 (não corrigido)

$
CAPÍTULO 2

               Sentada sobre o passeio do edifício da Morgue Maria Pia, estavam Mariana de 12 anos, Panxa de 14, Luzia de 13 e Ana de 12. Um funcionário da Morgue olhou com desdém ao grupo de raparigas como se as mesmas fossem as causadoras de seu mal-estar da noite passada, quando as luzes se apagaram no corredor da Morgue. Era tarde, 18h30, quando o celular do detetive Malone tocara.
– O corpo já está na Morgue, sala 5, corredor X, camara 70.

– Que coincidência (...) frangiu a testa Malone, reagindo a sms no display do celular. – Esta é a minha data de nascimento, retrucou ele, que nasceu a 10 de Otubro de 1970, e no dia seguinte o calendário marcava 44 anos. Malone olhou-se ao espalho, acariciou lentamente o rosto, como se sentisse a nostalgia dos primeiros anos da frequência universitária. Tirou a roupa, e jogou-se ao velho banheiro de sua casa, que ganhara como símbolo de sua promoção na corporação. Como sua esposa não estava decidiu fazer um Chocapique e a seguir descansar para recuperar as energias.