quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Fragilidades

Num espelho sombrio joguei
a química das imaginações,
aquelas que não resistiram a
ferrugem do tempo se desfizeram!
e as que suportaram o desespero
do vento na agonia da
esperança, venceram!

Hoje escorrem entre as
pétalas das emoções a
vontade de ser,
quando na partida nada
queriam ser,
Reflectia em si a imagem,
das paisagens que nunca
viveram em minhas viagens!

Cai em terra o tufão das ilusões,
Cai em terra a audácia da memória!

de um espelho, de um o reflexo ilusório!

Sem comentários:

Enviar um comentário