sábado, 22 de dezembro de 2012

ALDEIAS DO ÚCUAPOSTOS MÉDICOS PRECISAM-SE


Bengo
 
O grito de socorro vem dos moradores da comuna do Úcua que debatem-se com a falta de fármacos e postos médicos, a fim de acudir as mais diversas situações sanitárias como a diarreia acuda, sarna, doenças de sono e outras enfermidades tropicais.


As condições geográficas pelas quais inúmeras aldeias se encontram, tem condicionado a sanidade rural das populações residentes na estrada provincial do Bengo, facto que propicia negativamente a presença e o aumento de doenças tropicais como a doença de sono e o sarampo.

 

O número de mortes infantis tem sido frequente, sem soluções médicas convencionais, familiares há que se socorrem dos diagnósticos tradicionais, em contra partida, a cura tarda a chegar, e a agonia é ressentida pelas famílias, quando a morte bate a porte para a separação física com os seus pacientes enfermados em casa.

 

Durante os dois últimos meses mais de cinco crianças perderam a vida por falta de socorros médicos emergentes, transportes e consultas recomendadas.

 

Os familiares temem que o infortúnio prossiga nos próximos meses em todas as aldeias, deste modo, pedem a intervenção imediata das equipas médicas do Dande.

 

Segundos familiares abordados pelo Factual, somente nas épocas de campanhas médicas têm constatado a presença de enfermeiros por algumas horas, após as suas actividades, nenhum corpo médico é recomendado a permanecer entre as aldeias, a fim de socorrer as demais famílias.

 

A comissão de moradores, fez saber ao Factual que a aldeia não possui nenhum posto médico, pelo que têm de andar mais de 30 Quilómetros a pé para socorrerem-se de suas enfermidades na sede da comuna do Úcua ou na cidade de Caxito.

 

Ademais a carência de transporte assim como os custos que advém dela para os enfermos se deslocarem aos hospitais, têm sido um Handcap, pois, muitos familiares perdem seus parentes entre as mãos por falta de transporte.

 

Joana Makula de 39 anos chamou de leviana e incapaz a direcção provincial da saúde naquela cidade de Caxito, por não satisfazer as necessidades sanitárias dos demais moradores, “não temos médicos de verdade, por isso estamos sempre a importar seringas e a permitir que crianças morram antes de atingirem os 5 anos”.

 

O Factual ouviu a direcção provincial da saúde naquela cidade de Caxito, que anunciou para breve uma visita e diagnóstico dos inúmeros problemas assentes aos moradores das aldeias localizadas ao longo da estrada do Úcua.

 

Bengo constitui uma unidade administrativa recente, criada em 26 de Abril de 1980 por desagregação da província de Luanda. Pela Lei n.º 29/11, de 1 de Setembro,

Sem comentários:

Enviar um comentário