terça-feira, 2 de março de 2010

O PODER DA POESIA E A ESTUPIDEZ DA LEI

O PODER DA POESIA E


A ESTUPIDEZ DA LEI



Meus senhores e minhas senhoras

sejam bem vindos

a convenção dos poetas enterrados





Algumas sociedades de África há leis para cães, enquanto as pessoas sobrevivem das regras !!! “bussulo dolovro”

Some society of Africa the dogs have laws, while the people survive of the rules!!! "bussulo dolovro"


A realidade poética não coroa expressão alguma por direito divina; é pura e simplesmente espontânea derivada do objecto da sua observação: a natureza. Toda a nossa realidade tem cerne fecundo na poesia, na utopia “que é o princípio de todo o progresso.



Irgendeine Gesellschaft von Afrika, die die Hunde Gesetze haben, während die Leute von den Regeln überleben!!! "bussulo dolovro"



Sem as utopias de outrora os homens viveriam ainda miseráveis e nus nas cavernas…foram as utopias que traçara as primeiras linhas da primeira cidade” dizia Anatole France.



Não pretendo remontar ao princípio da estética do mito nem do realismo poético, como forma especial de expressão oral. Necessito mostrar porem, a influência da linguagem poética no tumulo social e na cave do poder da imaginação de alguams sociedades africanas, colocar o poeta a um nível superior da sublimação, como profeta, onde a sua vida é «desencontrada», precipitada no campo da fantasia quando o subconsciente se debate e as aspirações encontram uma válvula de escape, já dizia G. Thomson, no seu livro marxismo e poesia, Novembro, 1977.



Assim como não há nada certo numa realidade submetida á lei inexorável de ter que se reiterar para ser real. A poesia busca e mostra o irrealismo como expressão espiritual de homens deixados por conta de mundo sem resposta para a questão privada de seres que se prezam em comícios como imortais, para posterior trajar a lenda de imagem psíquica onde o mesmo irrealismo toma nesta fase as formas de evasão possível de um presente mítico, antevendo o futuro como passado de todos intervenientes de cada cena e história. Sei que uns não perceberam, a História é longa”. Nesta instância o medo proporciona a oportunidade de ser valente criando cenários capazes de transformar os que ouvem e vem; imperando ao homem a necessidade de cuspir deus por não ter dado duas vidas a ele, uma para ensaiar e outra para actuar dizia Gasmam, Procurando a verdade na própria realidade imaginativa. A verdade em sentido lógico (validade) e verdade em sentido ontológico (as coisas devem ser iguais a si mesma, opondo a aparência).



Quelque société d'Afrique les chiens ont des lois, pendant que les gens survivent des règles!!! "bussulo dolivro"



A poesia é a voz onde, a lenda é o campo, das forças da imaginação e da combinação que estruturam-se num ritmo atenuado da própria utopia, imergindo na psique de cada um como se o convite estivesse estendido a olhos de um simples título, criando assim um novo estados de imaginação humana “não para inventar leis ou cria coisas do demónio”, na essência de cada realidade, onde a pausa da música é o renascer de uma nova cena que ajuda a enfrentar a dor de uma história, na convicção de poderes que o homem não possui.



Della società dell'Africa i cani hanno leggi, mentre le persone sopravvivono delle regole!!! "bussulo dolovro"



Portanto, a poesia aqui é uma resposta e não uma questão num eco de silenciar que te leva a acreditar na reencarnação dos deuses da antiga Grécia, num Malcom X , Albakri, Mandume ou mesmo em A. Neto e recomeçar a HISTÓRIA novamente para nunca sairmos deste encrave e caótico campo de incompetentes vernáculos.



Some society of Africa the dogs have laws, while the people survive of the rules!!! "bussulo dolovro"





www.obrasdebussulodolivro.blogspot.com

bussulo25@hotmail.com

Sem comentários:

Enviar um comentário